quarta-feira, 10 de junho de 2009

Vida Terça, Vida Seca, Vida Prima.

O mesmo suor que me sustenta, me consome.

O mesmo amor que me alimenta, me dá fome.

O mesmo som que me atormenta, me exprime.

O mesmo embalo que me acalenta, me suprime.

A mesma farsa que me ostenta, me redime.

Quão penosa há de ser minha sina?

Vida terça, Vida seca, Vida prima.

O mesmo astro que me queima, me ilumina.

A mesma alma que me invade, me domina.

A mesma bela que me inspira, me deprime.

O mesmo ar que "me respira", me reprime.

O mesmo órgão que "me anima", me comprime.

Quão Penosa há de ser minha sina?

Vida terça, Vida seca, Vida prima.

7 comentários:

melilly disse...

Diante deste post só uma palavra:
Uau!!!

Bom final de semana! XD

a primeira estrela disse...

tem horas que eu fico besta com o que tu escreve rapaz.E a sina,cada um faz a sua! beijo =*

Pequena Poetiza disse...

essas sinas de opostos
a vida de contrastes
o mesmo remédio que nos aviva pode ser o veneno fatal de nossa morte

é saber lidar com as doses

lindo escrito
como sempre

beijos

Patrícia Lage disse...

Adorei teu blog. Adoro o título, que também é título de uma música importante pra mim.

Obrigada pelas palavras. Deixo meu carinho pra você. E vou voltar. =)

ŁǺи¥ disse...

Esses são os contrastes da vida... e mesmo assim muito nos atrai... ;)

Abraço

Paloma Flores disse...

Nossa, que lindo! Adorei.
Não só pela musicalidade dos versos, mas o sentido (ou os sentidos todos) também é uma delícia!

Leslie Holanda disse...

Lucas,
As fases, as faces da vida cheia de contradições mas, é apenas aperitivo das escolhas.
Beijos