terça-feira, 26 de maio de 2009

Livre

É cada vez mais complicado acompanhar as transgressões do mundo

O que é hoje, vai se tornar: era, já pelo amanhã.

E daqui uma semana nem lembrado será mais

E é o que acontece nesse mundo de identidades múltiplas

Tudo se agrega, ninguém contesta mais nada

É a morte dos questionamentos, do não contra o sim,

Hoje ninguém precisa negar com convicção

Aprender a diferença do sim e do não

Somos engolidos pelos advérbios que nos são entregues junto a uma porção cavalar de morfina.

E partimos, dopados, rumo a livre escolha, ao livre arbítrio, ao passe livre.

Deus me livre.

Um comentário:

a primeira estrela disse...

hm,ponto de vista interessante,muito bom mocinho calmo :3 só que eu acho que nesse caso nem Deus vai poder nos livrar, beijo :*