segunda-feira, 25 de maio de 2009

Do Amor?

Do amor?

Não tenho autoridade

Direito, dever ou propriedade,

Num sei o que é, seu apelido

Seu sobrenome, suas vontades

Seus gostos, sabores, ensejos

Nem sei se existe na verdade

E se não existisse, porque tão supra citado?

Os que dizem que o conhece, nem idéia fazem,

Os que fazem idéia, não se arriscam dizer que o conhecem.

E eu, não arrisco nem a um nem a outro

Deixo que ele mesmo se diga...

3 comentários:

Joice disse...

Adoreii!!
Ótimo pro dia de hoje!
Vc tinha razão!rs...

Márcia(clarinha) disse...

E por isso se chama amor, incógnito sentimento se aloja no peito onde bate um coração, mudando todo nosso resto em emoção.

lindo dia
beijos

Raio disse...

Concordo plenamente... Não me arrisco a descrevê-lo, mas deixo que se mostre, se abanque e tome conta... Preocupemo-nos apenas de apreciar!

Um blog fantástico!
Excelente semana!